Tags

, , , , , , , , , , , , , ,

COMO EXPLORAR A CIDADE

image

Dubrovnik, cidade velha

Dubrovnik foi parte de nossa viagem à Croácia, Montenegro, Bósnia e Hungria, realizada em agosto e setembro de 2015. Conheça todo o nosso roteiro e também como chegar na cidade, um pouco da sua história, onde se hospedar e saborear deliciosas comidas típicas aqui.

Olhar sobre a cidade de Dubrovnik. Na foto 1, ao centro, a Catedral e na foto 2, Torre do Mosteiro Dominicano.

O QUE FAZER
Passamos três dias em Dubrovnik e fiquei com o sentimento que precisava mais, se você puder ficar mais tempo não faltará atrações, desde andar sem destino pelas ruelas, descobrindo, pouco a pouco, a cidade, como visitar ilhas próximas e também o Parque Nacional Mljet. que dizem ser muito interessante.

A primeira coisa que fizemos, logo ao chegar à cidade, foi participar de um tour de reconhecimento oferecido por Natasa do Dubrovnik em Português. Agendamos ainda no Brasil e foi fundamental para entendermos a cidade, sabermos um pouco de sua história e sobretudo, termos dicas valiosas que nos ajudaram a aproveitar mais os dias na cidade. Natasha nasceu em Dubrovnik, fez universidade na capital, Zagreb e é guia licenciada, conhece tudinho como a palma da mão e, ainda, fala português fluentemente, não tem melhor opção para descobrir a cidade!!! Super recomendo.

image

Em frente à Igreja de São Brás, com Natasha – Dubrovnik em Português

Depois desse mergulho na história, encerramos o dia jantando no Kopun, nome que significa galo castrado, é também um os pratos típicos do restaurante. Prove Dubrovnik Capon (135 kn).

No dia seguinte, iniciamos nossa aventura pelo teleférico, o Cable Car (tickets a 108 kn por pessoa – 1€ = 7,5 kn) foi construído em 1969 e destruído na guerra com os Sérvios (1991 a 1995), sendo reconstruído em 2010. A estação do teleférico fica exatamente na rua Petra Kresimira IV, cinco minutos do Apartment Villa Leoni,  onde nos hospedamos e sobe o Monte de São Sérgio (Srd). Na alta temporada fica aberto das 9h as 24h.

A vista na subida não é muito boa, porque pega todos os cabos, mas lá de cima a paisagem é maravilhosa e dá a noção da dimensão e formato da cidade velha. Ao lado da estação do Cable Car, ainda em cima da montanha, estão uma loja de souvenires e o restaurante Panorama com instalações internas e externas, que merece uma parada. A vista é também maravilhosa e ao som de uma musiquinha ao fundo, o vento tocando seu rosto e a paisagem exuberante, parece cena de filme, saboreie um café, uma cerveja ou um vinho branco, conforme o horário e sua preferência, recomendo o vinho Casa Posip, croata, 52 kn a taça, como fizemos e relaxe sob essa imagem inesquecível!!!!

image
Além disso, muito interessante ai em cima é visitar o Forte Imperial, construído entre 1806 e 1812 quando a cidade estava sob a administração francesa, sendo dedicado à Napoleão I. No período de 1815 a 1882, sob o domínio austríaco, o exército fez ampliações. Durante o período da guerra da independência da Croácia contra o poderio Austro-húngaro, de 06/12/1991 até 05/08/1995, chamada Operação Tempestade, esse Forte foi o símbolo da resistência de Dubrovnik. Hoje, um museu, retrata a loucura daquela guerra, defendendo-se da Sérvia e Montenegro. Embora triste, é importante conhecer no local, por meio de mais de 500 fotos da época, a destruição feita ao patrimônio e à alma dos moradores locais, dos croatas. Ah, e uma dica, a melhor vista da cidade murada é desse Forte.

Vale ressaltar que a cidade já era Patrimônio Histórico da Humanidade (1979) e mesmo assim não foi poupada pela destruição da guerra.

image

Forte Imperial conta a história de destruição pela guerra, com imagens da cidade velha

image

Forte Imperial Fonte: divulgação turística da cidade

image

Ao fundo Monte Sérgio, visto da cidade velha, descida do teleférico e Forte Imperial

Quando já estiver com o coração repleto de emoções e se sentir em condições, desça o teleférico e siga, pela mesma rua, em direção à Praça Pile. Contenha a ansiedade de entrar na cidade murada e ande um pouco pela praça. Muito bem arborizada com uma linda fonte, é muito concorrida pelos turistas, muitos ônibus de excursão param aí para que os visitantes entrem na cidade antiga, também vai encontrar por aí pessoas vendendo pacotes turísticos. Existe um ponto de informações turísticas nessa praça.

image

Praça Pile

E, finalmente, entre pelo Portão Pile, que de forma medieval, a entrada é por uma ponte levadiça que na antiguidade ficava sobre um fosso, e era levantada para impedir a entrada de indesejáveis. Desça pelas escadas da muralha e terá acesso à cidade velha, numa longa rua principal chamada Stradum ou Placa, com 300 metros de comprimento, tendo na sua outra extremidade, à esquerda, o Portão Ploce. Ambos portões exibem escultura de São Brás, padroeiro da cidade.

A Stradun abriga prédios importantes e uma atividade incessante de pessoas transitando de um lado a outro, restaurantes, lojas e cafés, foi construída no século XII, mas somente em 1468 foi calçada com pedras de calcário que com o passar do tempo, em decorrência de tantos transeuntes, ficou polida o que lhe dá o brilho e a tonalidade esbranquiçada.

Geralmente essa rua está lotada de turistas, principalmente pelos passageiros dos vários cruzeiros que visitam a cidade, o que dificulta fotografar, mas vida de turista é assim mesmo, não desanime e caso queira um foto exclusiva, só sua, terá mesmo que chegar de madrugada.

image

Stradun, ao fundo a Torre do Relógio

image

Stradun vista do alto da Muralha

Logo na entrada verá a Fonte Grande de Onofrio, que recebeu seu nome em homenagem ao arquiteto napolitano que a construiu, Onofrio di Giordano dela Cava, em 1438. Essa fonte era parte do antigo sistema de abastecimento de água da cidade, trazendo a água do rio Dubrovcka, a 12 km. Essa fonte é enorme e linda, com 16 lados, onde todos param para beber de sua água que é potável. Aliás, conforme a guia nos informou, a qualidade da água da cidade é excelente e pode beber da torneira. Como eu só tomo água com gás, não fiz o teste, mas vai aí a dica, pois água é bem carinha por lá. Se tiver que comprar água, como eu, vá aos mercadinhos pois é um terço do preço dos restaurantes. Eu sempre comprava a Jamnica de 500 ml (18 kn) e de 750 ml (25 kn).

image

image

Fonte Grande de Onofrio, sempre está aí um tocador de realejo é uma pessoa com um correio elegante, você pode até mandar cartinhas para alguém

Do lado esquerdo, logo na entrada, pelo portão de Pile, está a Igreja de São Salvador (St. Spas) foi a primeira igreja da Stradun, construída em estilo renascentista, no século XVI. Possui uma obra da Ascensão, pintada por Pietro Antonio Urbino. Embora seu exterior seu muito simples, o seu interior é lindo!!!

Fomos agraciados por poder ouvir parte do ensaio da Orquestra Sinfônica de Dubrovnik e Coral que estavam, exatamente na hora de nossa visita, ensaiando para a abertura do Festival Internacional de Concertos, que iniciaria dia 28 de agosto. Maravilhosa “coincidência” que sempre acredito ser mais um presente de Deus!!!

image

A beleza da Igreja de São Salvador

image

Contígua à igreja de São Salvador está o Mosteiro Franciscano, preste atenção em uma porta recuada, pois é ali que está a Farmácia mais antiga da Europa, telefone para contato 00 385 91 7369663, fundada em 1317, embora venda medicamentos normais e atuais é famosa tanto por manter-se no estilo de antigas boticas, com prateleiras enormes de madeira e utensílios farmacológicos antigos, como por também oferecer poções e cremes para prevenção de rugas, para a hidratação das mãos e do corpo, feitos com receitas antigas. O preço é em torno de 65 kn por pote e não dá para resistir, são feitos com lavanda, flor típica do país, rosa, alecrim e laranja.

image

Farmácia do Mosteiro Franciscano

image

Cremes preparados a partir de receitas muito antigas

image

Primeiro plano, Igreja de São Salvador, ao lado Mosteiro Franciscano, entre os dois prédios, entrada para a Farmácia mais antiga da Europa

O Mosteiro Franciscano é uma obra do século XIV, no estilo românico-góticoe, ficou muito destruído no terremoto de 1667, sendo reconstruído, o claustro em estilo romântico e gótico é muito bonito. Pode ser visitado pois possui uma biblioteca com 30 mil volumes, alguns deles manuscritos e um museu com peças sacras de grande valor histórico.

image

Mosteiro Franciscano

Por toda a Stradum você vai notar uma canaleta feita nas pedras do calçamento, preste a atenção pois diz a lenda que se você quer se casar não pode pisar dentro da canaleta!!! Assim, moçoilas e moçoilos casadoiros de plantão, olhem por onde pisam!!!! rsrsr Essa foi dica de nossa guia!!!

image

Não pise na canaleta, senão não casa heimmmm!!!

Bem ao fundo da Stradun está a Torre do Relógio, de 31 metros de altura, foi construída no século XV. Próximo também está a Galeria do Sino, composto por 4 sinos, datados do ano de 1463, tocados pra avisar os moradores sobre algum perigo iminente, sinal para que se reunissem no local.

Do lado esquerdo da Torre do Relógio está o Palácio de Sponza que foi construído entre 1516 e 1522, no estilo gótico e renascentista, por estar muito conservado é um dos modelos referência da época antes do terremoto. Seu nome Sponza é em função do uso do terreno antes de sua construção que destinava-se à recolher as águas da chuva. Neste prédio já funcionou a alfandega e seus armazéns, banco, casa da moeda, arsenal de armamento, hoje acolhe o Arquivo Nacional.

image

Torre do Relógio e Palácio de Sponza

Do lado direito da Torre do Relógio estão o Palácio do Reitor, em sua frente a Igreja de São Brás e seguindo mais à frente, está a Catedral da Assunção da Virgem.
O Palácio do Reitor, que era a residência oficial do reitor, autoridade máxima da república, local onde funcionava o centro do governo. Foi construído no século XV, em estilo gótico e renascentista, com adições de barroco e hoje abriga o Departamento de História do Museu de Dubrovnik.

image

Palácio Sponza, ao fundo

image

Palácio do Reitor

Já a Catedral da Assunção da Virgem, foi construída no estilo barroco, também substituiu a catedral do século XII, destruída no terremoto de 1667. Possui, no altar-mor, uma pintura da Assunção de Ticiano. Estava em restauração durante nossa visita.

image

Fachada da Catedral

image

Catedral, lateral

image

Interior da Catedral

A imponente Igreja de São Brás, em homenagem ao segundo padroeiro da cidade, comemorado no dia 03 de fevereiro, o santo abençoador da garganta. Essa igreja foi construída no estilo barroco, durante o século XVIII, substituindo a anterior, do século XIV, no estilo românico, que sobreviveu ao terremoto de 1667, mas em 1670, à noite, num incêndio,  foi quase toda queimada restando somente uma escultura de São Brás, em ouro.

No altar está a imagem de São Brás abraçando a cidade. Só por curiosidade, o primeiro padroeiro da cidade foi São Sérgio. Perceba que a cidade estava sendo organizada para o Festival Internacional de Verão, bem em frente à igreja ocorreu um concerto, que embora tenha sido vendido ingresso para quem sentou na arquibancada construída, os transeuntes também puderam aproveitar.

Em frente à Igreja de São Brás, está a Coluna ou Pilar de Orlando, construída em 1418 e que representa o livre comércio e símbolo da liberdade. Antigamente, os anúncios do governo eram feitos junto a essa estátua, assim como também eram feitas as punições públicas. O braço de Orlando, com uma medida de 51,2 cm foi tomada como referência de medida, chamada de cúbito ragusano.

image

Igreja de São Brás e Coluna de Orlando, em montagem para o Festival de Verão

Por detrás da Torre do Relógio está o Porto antigo, de onde saem passeios para as ilhas, inclusive Lokrum e estão muitos restaurantes. À esquerda da Torre do Relógio está a saída pelo Portão Ploce, nessa rua existem restaurantes, bares e na saída, uma discoteca.

image

Portão Ploce

Arrodeando a Catedral, à sua direita você vai encontrar um restaurante e bar com mesas na rua, é o Troubadour que apresenta todas as noites música ao vivo. Ao som do saxofone você é hipnotizado para sentar e aprimorar seus sentidos: auditivos, olfativos e visuais, beber e comer aí é uma delícia, pois ainda de quebra poderá observar as pessoas passando de lá para cá.

Seguindo este restaurante você já chegou à Praça Gunduliceva ou Gundulic Square, onde está a estátua de Dzivo Gundulic, que dá nome à praça, o maior poeta da cidade, esculpida em 1893 pelo artista de Split, Ivan Rendic.
Nessa praça funciona diariamente das 7h às 12h uma feira livre, um mercado, onde os moradores locais trazem os frutos de suas colheitas, na maioria orgânicos, para vender. Verduras, legumes, muitos figos frescos e secos, assim como seus derivados, lascas de laranja e limão cristalizados, temperos secos diversos, e muito artesanato local, sobretudo, produtos de lavanda. Este é um programa obrigatório e lhe garanto que você não resistir não comprar.

Às 12 horas, num piscar de olhos todas as banquinhas desaparecem sem ficar um resquício de lixo no chão e são imediatamente substituídas por inúmeras mesinhas onde os restaurantes instalados nos prédios ao redor, servem suas especiarias locais saborosíssimas. Aí está também o Hotel Pucic com seu Café Royal. Assim fica a praça, super movimentada até altas horas da noite, dando um ar de boemia ao local.

image

A música ao vivo do bar Troubadour alegra a noite de Dubrovnik

image

Estátua de Dzivo Gundulic, que dá nome à Praça. Até meio dia, um grande mercado com produtos locais, durante a tarde e noite, aconchegantes mesinhas e ótima gastronomia.

image

A alegria da noite de Dubrovnik, mesas dos restaurantes nas ruas e ruelas, juntos aos prédios históricos medievais.

Ao fundo da praça você encontra um escadaria muito linda que lhe leva, ao alto, onde estão mais restaurantes, um deles, onde jantamos no primeiro dia, restaurante Kopun.

image

Escadaria saindo da Praça Gundulic

Saindo por trás do restaurante kopun, vá andando pelas ruelas até encontrar o bar Mala Buza, uma portinha bem pequena, mas que reconhecerá porque tem um homem na porta. Este é um dos locais imperdíveis da cidade. Programe-se para chegar lá pelas 16 ou 17h, pois na alta temporada fica lotado e claro que você vai querer uma mesa sem ninguém na sua frente para assistir ao pôr-do-sol. Se não tiver mesa vaga, use sua cara de pau, espere de pé até vagar uma mesa e se não conseguir uma boa, não se intimide, vá mudando à medida que uma melhor vague, afinal, você não vai voltar tão cedo e precisa ter o melhor do visual, kkk. Esse é um local que só serve bebida, não tem nada, nadinha mesmo, para comer. Fica numa encosta bem no alto, com um maravilhoooso visual do mar. Alguns jovens mais arrojados saltam da encosta no mar, sobem tudo de novo e saltam novamente. Daí, a vista do sol se pondo é super linda e romântica, nada melhor para uma parada e curtir a dois…

image

Bar Buza encrustado na pedra, o Bar Mala Buza tem acesso ao mar

image

A diversão no Mala Buza

Uma das principais atrações  da cidade é o Passeio pela Muralha que circunda a cidade velha, imperdível, você dará a volta em toda a cidade velha por cima da muralha, são 1.940 metros de comprimento e se gasta em média duas horas para percorre-la. Possui de 4 a 6 metros de largura, a parte voltada para o mar é a mais estreita, e 25 metros de altura, Consegue-se observar tanto a vista do mar, ver, ao longe, o Forte Lovrijenac, as ilhas ao redor, em especial Locrum, mas também observar a vida cotidiana dos que moram dentro das muralhas, seus jardins, seus varais.

image

Volta ao redor da cidade velha por cima da Muralha, vista de 360 graus!!!

image

Dentalhes do cotidiano da cidade

Compre o ingresso bem ao lado direito da entrada Pile (100 kn). Existem três entradas para as muralhas podendo escolher a que estiver mais perto, Sv. Spas, Sv. Luka ou Museu Marítimo, eu optei pela entrada junto ao Portão Pile. Programa-se para fazer este passeio bem cedo ou depois das 16h, pois no verão o sol é muito forte e quente. Sugiro optar pelo fim da tarde para ver pôr-do-sol lá de cima. Os ingressos são vendidos para entradas até às 17 horas, encerrando as visitas às 19h.

image

Ingresso para passeio na Muralha, indicando as três entradas.

É muito interessante que por meio desse passeio pela muralha é possível identificar o que foi destruído pelas guerras na cidade velha. Observe o telhado das casas e prédios, verá alguns bens velhos, com manchas esbranquiçadas e as vezes no mesmo telhado, telhas bem avermelhadas e novas. As novas foram repostas na reconstrução, assim, olhando num panorama você percebe como a cidade foi danificada.

Numa das ruelas da cidade existe uma casa onde o seu proprietário, no intuito de não deixar que seja esquecida a devastação da guerra, colocou em sua fachada, pôsteres de como sua casa ficou destruída durante a guerra. Esse local passou a ser um ponto turístico.

image

image

Sinanis da destruição da guerra

image

Retratos da guerra

Fortes
Além do Forte Imperial que já comentei anteriormente, que fica no alto da Montanha São Sérgio e é acessado por meio do teleférico, existem algumas outras Fortalezas, fazendo parte da estrutura murada da cidade velha e uma outra, um pouco mais distante das muralhas, mas totalmente possível ir a pé.

No circuito das Muralhas estão a Fortaleza Revelin, Fortaleza Minceta, Fortaleza Bokar e a Fortaleza de São João.

image

Mapa da Cidade Velha, 27 Forte São João;  30 Forte Bokar, 31 Mincet; 33 Forte Lovrijenac; 39 Forte Revelin

A Fortaleza de Revelin, recebe este nome, que significa irregular, pois foi dessa forma que ocorreu sua construção, num formato de trapézio irregular. Levantado no século XVI, durante os anos de 1500 a 1538, tinha por objetivo proteger o porto, a porta de Ploce e a ponte da cidade. Atualmente, as atrações do Festival de Verão acontecem em seu vasto terraço. No primeiro andar funciona a discoteca Culture Club Revelin, bem popular e lotada, dentro e fora, todos os dias que voltávamos para o Apartment. Já no térreo, está a sede da Orquestra Sinfônica de Dubrovnik.

image

Forte Revelin, à noite

image

Sede da Orquetra Sinfônica de Dubrovnik

Fortaleza Minceta, situada na parte norte das muralhas é a mais antiga, foi construída em 1464, e sua imponência se destaca. É considerada a que permite a melhor vista da cidade.

Fortaleza Bokar, situada no lado sudoeste das muralhas, foi construída, em formato redondo, no século XV, com o objetivo de proteger a Porta de Pile.

image

Forte de Bokar, bem ao seu lado partem os passeios de caiaques

Fortaleza de São João
Está situada na parte sul das muralhas e foi construída entre 1346 e 1557, com o objetivo de proteger o Porto. Hoje hospeda, no andar térreo, o Aquário, que vale visitar, pois mostra diversas espécies de peixes do Adriático e, no andar superior, está o Museu Marítimo organizado em quatro áreas: história sobre a República de Ragusa; sobre a era do vapor, sobre a Segunda Guerra Mundial; e sobre as técnicas de navegação. A Fortaleza fica num final de rua, como que um cantinho da Muralha, mas não há como transitar por ela sem parar para comer, foi o local onde senti o melhor aroma da cidade. Existem vários restaurantes nessa rua, mas o Storia, pizzaria e massas, impede que você continue andando, lhe obriga a sentar e provar da sua cheirosa e saborosa comida. Experimente a massa de frutos do mar (65 kn), hummm delícia!!! E o café ainda é brinde da casa.

image

Aquário, na Fortaleza de São João

Fora das Muralhas está o Forte Lovrijenac, situada na parte ocidental, foi erigida em somente três meses, no século XIII, sobre um rochedo com 37 metros de altura. Sobre o umbral de sua entrada principal está gravada, em latim, a frase “Non bene pro toto libertas venditur auro” que traduzindo quer dizer, “a liberdade não se vende nem por todo o ouro do mundo”, representando o quanto o povo teve que lutar para reaver sua liberdade. A vista partir a dessa fortaleza é também deslumbrante e a construção tem uns três andares. O seu interior tem uns espaços bem amplos e interessantes e tem sido utilizado para shows e espetáculos de Festival de Verão, incluindo encenações de Shakespeare, como Hamlet. Andando por seus salões e sobretudo no ultimo andar, pensei como seria lindo um show de Andrea Bocelli
alí, eu gostaria muito de poder estar lá.

image

À esquerda está parte da Cidade Velha, em primeiro plano, o Forte Minceta, mais perto do mar o Forte Bokar e à direita, de frente para o mar o Forte Lovrijenac

image

No umbral da porta de entrada do Forte Lovrijenac, os dizeres ” Non bene pro toto libertas venditur auro”

image

Forte Lovrijenac

Tivemos um pouco de dificuldade para achar o caminho para o Forte Lovrijenal, mas acabou sendo bem interessante o erro, foi um tipo de aventura porque acabamos passando por locais que não iríamos, por estarem mais distante da cidade velha.
Saímos da Praça Pile, portanto fora da cidade velha, e subimos uma escadinha em busca de um lugar para tomar café. Entramos no Dubravka Restaurant Café (1836), que estava lotadinho, bom sinal, conseguimos, com jeitinho e paciência, uma mesa de frente para o mar. Escolhemos um combo de café, que pela quantidade de coisas eram suficientes para nós dois. Perguntamos ao garçom se podíamos compartilhar um mesmo combo, pedindo extra somente mais um croissant e um café. Gentilmente ele concordou e nos trouxe um excelente café. A vista do mar estava linda e rendeu boas memórias e fotos.

image

Forte Lovrijenac vista do restaurante Duvravka

Dali, pegamos a rua Don Frana Bulica, 7, que é paralela à rua do Hilton Imperial Hotel, enorme, vê-se de longe, à procura da entrada para o Forte. Mesmo perguntando, erramos feio, subimos muito a rua e a entrada era bem no começo, mas não tem indicação, assim, depois de ir e vir, acabamos entrando na Rua (Ulica) U Pilama, só para você se localizar, na esquina tem um Mini Market, e deu certo.
Mas antes disso, na nossa aventura pelo “erro” acertamos, pois passamos por lugares super, hiper aconchegantes e diferentes. Descobrimos o Restaurante Sesame Tavern que tem uma área externa muito charmosa, embaixo de árvores antigas, descobrimos ainda o Arte Café Bar com cadeiras e sofás feitos de banheiras antigas, bem coloridas, passamos pela reitora da Universidade de Dubrovnik, que tem um jardim maravilhoso, por capelinhas, muitos Apartments e por algumas instituições governamentais, valeu a andada!!!

image

Achados numa andança… Valeu!!!

Praias
O mar azul e translúcido da Croácia convida-nos a experimentar as suas águas que chegam até a 27°C no verão. Como em todo o Adriático as praias não possuem areia e sim predrinhas, tipo seixos. Não dá o mesmo conforto que nossa maravilhosa areia branca, mas lá vende em muitos lugares um colchonete dobrável, que afofa o deitar nas pedras. Não será por isso que você não vai curtir as praias.

Perto do Forte Lovrijenac está a praia de Sulic, arrodeando a muralha está a praia de Buza, onde fica o famoso Buza Bar, seguindo e um pouco antes do porto, está a praia de Porporela, e após a saída do Portão de Ploce, andando uns 5 minutos, você chega à praia mais famosa de Dubrovnik, Banje a qual eu fui e, portanto posso compartilhar minhas impressões. Atente para o mapa apresentado anteriormente, que auxilia a localizar essas praias.

Banje tem uma imensa infraestrutura, com restaurante e serviço de praia, que oferece cadeiras, guarda-sóis, bebidinhas e tudo mais, mas o conforto tem um preço salgadinho, por exemplo: uma bola de sorvete (10 kn), crepe de marmelada ou de chocolate (45 kn), prato de frutas (70 kn), cadeira de sol (100 kn) espreguiçadeira (200 kn), Guarda-sol (30 kn), toalha (20 kn). Mas dessa praia você tem uma maravilhosa vista das muralhas.

À 1,5km da cidade antiga fica a praia de São Tiago, não conheci, mas dizem ser a mais bonita e é a preferida de nossa guia Natasha, vale conferir!!!

image

Praia de Banje, a melhor da cidade

image

Da praia de Banje, a vista da Cidade Antiga

Um pouquinho antes de chegar à praia, de quem saiu pela porta Ploce, encontrará uma Instituição Social chamada Desa que ensina artesanato aos moradores locais, sobretudo mulheres, para que possam aumentar a renda doméstica. Os produtos feitos pelos professores artesãos e também, pelos alunos, são expostos aí, vale a pena conhecer, você vai querer levar alguma coisa de lembrança e contribuir com o povo local.

image

Dubrovnik é a King’s landing da famosa série da HBO Game of Thrones que foi filmada na Croácia, Split e Dubrovnik. Em Locrum tem uma área reservada para a réplica da King’s landing com o trono e seus apetrechos. Mas caso você não vá a Lokrum, não se preocupe, você acha em Dubrovnik uma loja todinha dedicada à série onde pode tirar foto no trono, pagando é claro rsrs,  e comprar souvenires temáticos.

 

image

Loja temática do Game of Thrones, em Duvrovnik,

image

SUGESTÕES DE BATE E VOLTA
Ilha de Lokrum
Ilha de Korcula
Ilha de Mljet e seu parque Nacional
Montenegro, embora eu acho pouco tempo um só dia, eu passei dois dias e adorei.

OUTRAS ATRAÇÕES

Ilha de Lokrum este é um passeio imperdível, mas se organize para passar pelo menos 3 a 4 horas, para não visitar correndo. Tem bastantes atrações, inclusive um tour épico para conhecer, tudo sobre o Game of Thrones, saindo de barco de Dubrovnik e detalho aqui.

Passeio pelo Adriatrico de caiaque, info@adventuredubrovnik.com, saindo geralmente da prainha do Forte Bokar e contorna a ilha de Locrun, com parada numa praia e caverna. É um passeio muito bonito de ver, pois o mar fica colorido de um grupo de caiaques e imagino que também seja muito interessante de participar. Inclui snorkling, com saídas de manhã e a tarde, com 2,5 a 3 horas (230 kn) ou no pôr-do-sol (250 kn).

Segway tour por Dubrovnik, uma forma alegre e divertida de conhecer a cidade. Essa mesma empresa oferece ainda passeio de bicicleta por vinhedos próximos, podendo degustar da produção

Passeios de Barco, bom esses passeios não faltam na cidade, no Porto você vai achar várias empresas oferecendo passeios, por exemplo:

Vivado Travel Agency, pacote Conhecendo o arquipélago de Elaphite, visitando três ilhas, Kolocep, Sipan e Lopud; ou ainda visitando Mlini ou Cavtat que dizem ter sido a cidade de chegada dos gregos e foi por onde Dubrovnik nasceu, hoje tem várias lojas e é uma cidadezinha que vale conhecer. Também possui passeio para a ilha e Mljet onde está o Parque Nacional, fundado em 1960, com um lindo lago e uma ilha no meio, belos bosques e formações de calcário e dolomita com encostas lindas. Funcionam nos meses de julho e agosto.

image

Arquipélago de Elaphite

Karaka, com passeios de maio a outubro, com preços a partir de 20 euros por pessoa, viagem de 45 minutos para explorar, do mar, os muros da cidade velha até passeios de dia inteiro, por 58 euros, conhecendo as mesmas três ilhas. Destaque para o passeio no pôr-do-sol e surgimento da lua, ao redor da cidade velha e ilha de Lokrum, voltando no tempo, pois a navegação é feita num barco de madeira, típico do século XVI, incluindo jantar e espumante, tudo ao som de músicas típicas (53 euros/pessoa).

image

Dubrovnik é um encanto de cidade, muita coisa para conhecer e para curtir. Andar por suas ruelas sem destino específico, também é uma ótima atração, pois com certeza você vai descobrir lojinhas lindas, restaurantes charmosos e muito história. Fique atento aos detalhes, uma porta, uma janela, uma capelinha, a cada momento você será surpreendido com o inesperado.

image

Ruelas de Dubrovnik

image

Dentalhes da cidade velha de Dubrovnik

Espero que você tenha se divertido lendo este post é que tenha sido útil para você, mas principalmente espero que você faça essa viagem e aproveite como eu!!! Enjoy.

POSTS RELACIONADOS

Croácia, Montenegro, Bósnia Herzegovina e Hungria – ROTEIRO

Dubrovnik 1 – Como chegar, onde ficar e comer

Lokrum – a Kings’s landing

Stari Grad – a origem da história de Hvar

Zagreb – capital da Croácia

Anúncios